Não validar o GTIN na NFe 4.0 pode causar impactos cadastrais

Indústrias de todos os setores que possuem produtos circulando no mercado com GTIN (Numeração Global de Item Comercial - número que consta no código de barras) e que são faturados nos documentos NF-e e NFC-e precisam manter as informações de produtos cadastradas e atualizadas no CNP - Cadastro Centralizado de GTIN, que é a fonte de consulta das Secretarias da Fazenda para validação dos campos. Os itens que utilizam o GTIN são aqueles que podem ser precificados, pedidos ou faturados.
Antigamente, o GTIN era conhecido como código EAN, mas o termo foi atualizado para que pudesse abranger informações de objetos que vão desde a matéria-prima até o produto final.
Os códigos GTINs podem ter quatro tamanhos de acordo com a estrutura utilizada pela aplicação:
 GTIN-8, com 8 caracteres, codificado no código de barras EAN-8;
 GTIN-12, com 12 caracteres, comumente utilizado no código de barras UPC-A;
 GTIN-13, com 13 caracteres, codificado no EAN-13; e
 GTIN-14, com 14 caracteres, no código ITF-14.

Novas regras e prazos
De acordo com a Nota Técnica 2017.001 v1.20, as empresas terão que preencher os campos cEAN e cEANTrib com um código GTIN-8, GTIN-12, GTIN-13 ou GTIN-14. Já os produtos que não possuem código de barras com GTIN, podem ser identificados com o literal “SEM GTIN” na nota fiscal.
A única ressalva é que o GTIN Tributário (cEANTrib) deve corresponder ao GTIN da menor unidade comercializada no varejo identificável por código GTIN. Isso indica que não poderão ser utilizados códigos GTIN-14 neste campo, uma vez que este código é utilizado para agrupar diversas unidades do mesmo produto.
A validação do GTIN na NFe 4.0 para homologação teve início em setembro de 2018, de acordo com os CNAES e NCMs indicados. Já a validação dos Campos cEAN e cEANTrib foram marcados como "implementação futura" no último cronograma divulgado pela SEFAZ.
É importante manter-se atendo ao cronograma de implantação do GTIN para evitar inconsistência do cadastro de produto e consequente rejeição da nota fiscal.
A Certacon pode colaborar com a sua empresa na adaptação do cadastro de produtos na NFe 4.0.
Para mais detalhes da Nota Técnica 2017.001 (versão 1.40) divulgada em agosto de 2018, clique aqui.

Deixe uma resposta

Fechar Menu